Jornada de Amamentação bate recorde de público

Compartilhe

Público lota o Teatro Oromar Moreira da AMMG

Após meses de organização, o Teatro Oromar Moreira da Associação Médica de Minas Gerais (AMMG) recebeu, na última sexta, 24, mais uma Jornada Mineira de Atualização em Amamentação, que chegou a sua décima quarta edição. Com lotação máxima, mais de 380 inscritos, a Jornada contou com um público formado por médicos, profissionais da saúde, acadêmicos de medicina e membros da comunidade geral, que assistiram atentos a mensagem de boas-vindas de Maria Cândida Ferrarez Viana, presidente do Comitê de Aleitamento Materno da Sociedade Mineira de Pediatria. A pediatra ressaltou a importância de se discutir a temática e comemorou o recorde de audiência. “Fico muito feliz em ver pessoas que se preocupam com o aleitamento materno. É algo que, para além do científico, afeta toda a espécie humana”, disse.

Ieda Passos recebe prêmio "Defensor da Amamentação" do ano

A entrega do prêmio “Defensor da Amamentação 2018” em nome do Comitê de Aleitamento Materno da SMP finalizou o momento inicial com aplausos e registros fotográficos. A homenagem deste ano foi para Ieda Passos, que atualmente é enfermeira do Hospital das Clínicas da UFMG e que, nas palavras de Maria Cândida, “enfatizou questões importantes como o parto humanizado ao longo de toda a sua carreira”. Antes da entrega, a pediatra deu um panorama dos locais de trabalho pelos quais Ieda passou, mencionando sua dedicação com as pacientes.

Alicerce da vida

Marcus Renato de Carvalho abriu o ciclo de palestras da Jornada

O professor da UFRJ Marcus Renato de Carvalho foi o nome responsável pela primeira palestra da manhã, intitulada “Amamentação – alicerce da vida”, que aconteceu logo após a abertura. “Eventos como este são uma ótima iniciativa para falarmos da Semana Mundial de Aleitamento Materno, que, por sua vez, é uma forma de incentivarmos a amamentação. É imprescindível que saiamos dos hospitais e mostremos à sociedade os benefícios dessa prática”, disse ele, que compartilhou com o público um cenário histórico da Semana e da publicidade brasileira sobre amamentação ao longo das últimas décadas.

Segundo Marcus, a primeira Semana Mundial de Aleitamento Materno data de 1992, com o tema “Hospital amigo da criança”, escolhido pela UNICEF em parceria com a OMS. A iniciativa, que na época chamou atenção das autoridades mundiais, chegou ao solo brasileiro somente em 1999, ano no qual o Ministério da Saúde encampou e demonstrou apoio à temática da amamentação. Pontos como estes, na visão de Marcus, foram o que criou terreno para eventos como a Jornada e outras ações envolvendo o tema no Brasil. Durante sua fala, o professor também mencionou assuntos como o Agosto Dourado e a necessidade de se informar não somente as mães, mas outros familiares. “A mulher nunca amamenta sozinha. É preciso criar uma rede de apoio para toda a família”, concluiu.

As atividades prosseguiram durante a tarde do dia 24 e foram finalizadas no sábado, 25.

O público

A estudante de medicina Lívia Figueiredo, da PUC Minas de Betim, fez parte das centenas de pessoas inscritas no evento. Para ela, tudo ainda é muito novo e desperta sua curiosidade. “O que mais me agrada em eventos como esse é seu caráter multidisciplinar. Só aqui, por exemplo, há fisioterapeutas, uma sexóloga, pediatras, e isso mostra que é um tema que abrange diversas áreas da nossa vida”.

O pediatra Alacy Antônio Amaral contou que saiu cedo de Divinópolis só para estar presente no evento junto da filha, também pediatra. “Espero aprender muita coisa nova nesses dois dias, pois nossa profissão muda o tempo todo. Se possível, gostaria de aplicar o que eu aprender aqui no meu consultório”. Da mesma forma, a mãe Valéria Ornelas, presente junto do marido e o filho, disse que deseja colocar os aprendizados em prática com a criança, além de conscientizar as mães próximas. “Em um país como o nosso, no qual o aleitamento materno exclusivo é baixo, é bonito ver um evento tão cheio. É uma questão que passa pelo setor econômico, de saúde pública e até mesmo o ambiental”, finalizou.