Os novos papais

Compartilhe

A nova geração de pais que veio para ficar

Eles leem livros, fazem cursos e vivem por dentro de palestras sobre a vida pós-nascimento do bebê. Dentro de casa,tomam a frente dos primeiros cuidados, fazem questão de trocar fraldas e até arriscam a vida doméstica. Mas é na internet que as potencialidades da chamada “paternidade moderna” fica clara, já que a nova geração de pais não só consome material online, mas aposta na criação de páginas nas quais compartilham suas experiências com a chegada dos filhos. “Nossa geração percebeu com a anterior que uma criação distanciada nos leva a crescer de forma incompleta”, comenta Marcos Piangers, palestrante e escritor best-seller que se dedica a falar sobre o tema há mais de três anos. O título de fenômeno da internet é confirmado pelos números nas redes: são mais de meio milhão de seguidores no Instagram e 158 mil no Youtube, o que comprova a demanda do público pelo assunto. Nas livrarias, “O papai é pop”, sua primeira obra, ultrapassou a marca de 200 mil exemplares vendidos.

Piangers faz parte de uma nova geração de pais que troca as fraldas e se encontra cada vez mais próxima dos filhos, algo que vem desafiando o paradigma tradicional da masculinidade. Após séculos de uma paternidade que delegou aos pais o papel de provedores do lar, há quem relacione o novo comportamento masculino a mudanças sociais mais amplas, como a conquista do mercado de trabalho pelas mulheres. “Esse novo posicionamento dos pais se deve, principalmente, às décadas de luta feminista, cujas reivindicações beneficiam não só as mulheres. Mas não podemos olhar para o passado de forma chapada: houve homens que davam mais do que comida para seus filhos. Eles não foram maioria, mas existiram”, conta a pesquisadora Isabelle Chagas, que hoje se debruça sobre a análise de influenciadores digitais que se autointitulam os “novos pais”.

Cyberpais

Passeios com o filho e dicas culturais são algumas das temáticas encontradas no canal “Aventuras com o papai”, criado pelo designer Vinicius Murta, de Belo Horizonte. Para o influencer, que também dá as caras com Davi, de 10 anos, nas redes sociais, a criação de projetos envolvendo o filho nada mais é que consequência de um desejo da adolescência. “Sempre tive o sonho de ser pai e, desde que recebi a notícia, estudo para ser um exemplo”, compartilha ele, que diz estar aberto para aprender junto com o próprio filho. Há alguns meses, Vinícius deu um passo além e lançou um programa de cursos e palestras chamado “Papel do Pai”, com o intuito de reforçar a figura paterna na família.

Segundo Piangers, que foi precursor e serve de inspiração para muitos cyberpais, o surgimento crescente de plataformas do tipo é algo a se comemorar, já que significa pessoas se abastecendo de informação e boas práticas. “Isso é maravilhoso para todos: a mãe, a criança e o próprio pai, que se transforma quando demonstra interesse no tema. Ele se reconstrói e cria vontade nos outros de fazer o mesmo”, finaliza.