Simpósio reúne profissionais de várias áreas da saúde para discutir o cuidado com o recém-nascido prematuro

Compartilhe

Belo Horizonte foi palco do I Simpósio Interdisciplinar em Neonatologia, que aconteceu entre 11 e 13 de novembro, no Teatro Professor Ney Soares. Com apoio das Sociedades Brasileira e Mineira de Pediatria, o evento foi uma oportunidade para os profissionais que trabalham com bebês prematuros discutirem as experiências do cuidado com esse recém-nascido em diferentes serviços e países. Como convidado internacional, o Simpósio contou com o neonatologista brasileiro radicado no Canadá Guilherme Sant’anna, professor associado da McGill University.

Logo no início do evento a vice-presidente do Departamento Científico de Neonatologia da SMP, Erika Dolabella, representando Albertina Rego, presidente dos DCs de Neonatologia da SBP e da SMP, destacou a importância do investimento na qualificação do cuidado de gestantes e recém-nascidos no Brasil. Segundo ela, 55% dos óbitos em crianças menores de cinco anos correspondem à mortalidade neonatal, sendo dois terços na primeira semana de vida. “Apesar dos progressos na redução de óbitos infantis de 1990 a 2015, o Brasil ainda tem taxas elevadas nas regiões menos favorecidas”, alertou Erika. “Para alcançarmos as metas do desenvolvimento sustentável da ONU, de nenhuma morte evitável em menores de cinco anos até 2030, muito ainda precisa ser feito”. Para a SBP, a criança deve ter seus direitos assegurados e o primeiro deles é um ambiente seguro para o feto e o recém-nascido.

A presidente da SMP, Marisa Lages Ribeiro, deu boas-vindas aos presentes e aproveitou a oportunidade para apresentar o que foi realizado ao longo de 2019 pela Sociedade Mineira de Pediatria. Já o convidado internacional do Simpósio, Guilherme Sant’anna, disse estar muito satisfeito em participar em um evento interdisciplinar. “É um privilégio trabalhar com uma equipe não só de médicos, pois são os profissionais não médicos que ficam na beira do leito”, comentou Guilherme, que parabenizou o fato de o Simpósio ter sido organizado por um fisioterapeuta, Gustavo Fiche, e por uma pediatra, Flávia Cardoso Rodrigues, secretária geral da SMP.